Fone: (48) 3237-9137

Fone: (48) 3237-9137

Hierarquia dos Artigos
Início dos Artigos » Saúde Bucal » Mononucleose infecciosa - A doença do beijo
Mononucleose infecciosa - A doença do beijo


http://acritica.uol.com.br/vida/quantidade-beijos-cumprimento-regiao-Brasil_ACRIMA20130128_0022_15.jpg

 

 

A mononucleose, também conhecida como ‘doença do beijo’, é comumente transmitida pela saliva contaminada num contato íntimo entre as pessoas. Manifesta-se de forma aguda, resultante da exposição ao vírus Epstein-Barr (EBV). Ocorre com mais frequência na adolescência, embora possa se desenvolver em qualquer idade.


Essa infecção pelo EBV provoca febre, comprometimento de toda a garganta e faringe com formação de placas brancas e exsudato (líquido com alto teor de proteínas e leucócitos) semelhantes às lesões de candidíase. A presença de linfadenopatia na região frontal ou posterior do pescoço e axilas é comum nesse quadro. O comprometimento do fígado e do baço também pode estar entre as alterações causadas pela infecção.


O diagnóstico da mononucleose é sugerido pela manifestação clínica da doença e deve ser confirmado através de exame de sangue específico. O aumento do número de linfócitos no sangue e, a aparência anormal adquirida por uma parcela dessas células é uma característica dessa infecção. São os chamados linfócitos atípicos que, detectados no hemograma realizado rotineiramente nas doenças infecciosas, valorizam a possibilidade de tratar-se de mononucleose infecciosa.


Quando adultos fazem esse exame, a maioria fica sabendo que foi infectada pelo vírus e teve a doença no passado sem se dar conta de sua atividade, pois os sintomas foram confundidos com os de infecções banais comuns na infância e na adolescência. Na maioria dos casos, a mononucleose infecciosa regride entre 4 e 6 semanas, no entanto, em alguns casos, os quadros são mais intensos e prolongados, a febre é alta e custa a desaparecer, o que assusta muito os pacientes e seus familiares.


Esta doença não tem cura e o tratamento é feito com repouso relativo por cerca de 3 semanas. Não é recomendado o uso de antibióticos quando não há uma infecção bacteriana secundária. Quando há um comprometimento hepático grave, deve-se tratar como se fosse uma hepatite viral aguda por, aproximadamente, dois meses. Em certas situações pode ser feito o uso de corticosteroides. Em caso de ruptura do baço uma cirurgia deve ser realizada para removê-lo.


http://www.portaleducacao.com.br/odontologia/artigos/57236/mononucleose-infecciosa-a-doenca-do-beijo

Copyrights © 2013-2017 CIOSC. Todos os direitos reservados.

secretaria@ciosc.com.br

Ligue agora e marque uma consulta: (48) 3237-9137

Endereço: Rodovia Francisco Thomaz dos Santos, nº 179, Morro das Pedras, Florianópolis/SC, Sul da Ilha. Amplo estacionamento para sua comodidade. Fones: (48) 3237-9137 / 9156-4049 / 9156-4050 / 9156-4051.

Atendemos também em Criciúma: 9919-2721 / 9156-4049 e no Kobrasol: (48) 9997-0000. Resp. Técnico: Dr. Everton P. Camilo, CRO-SC 3334

site desenvolvido por www.wsdbrasil.com.br

Powered by PHP-Fusion copyright © 2002 - 2015 by Nick Jones.
Released as free software without warranties under GNU Affero GPL v3.